23 de janeiro de 2017

AquaRio – O maior Aquário da América Latina fica no Rio!




Desde a inauguração do AquaRio, no Boulevard Olímpico do Rio, o espaço vem recebendo milhares de visitantes por dia, sendo um dos pontos turísticos mais disputados na cidade. Claro que toda novidade atrai público, e o AquaRio vem atraindo cerca de 8 mil pessoas por dia! A expectativa, só no mês de janeiro, é de 150 mil visitantes.


Então, já dá para imaginar como o lugar está cheio! A primeira dica já é: se você não está de passagem pelo Rio, deixe para conhecer o aquário fora da altíssima temporada. O espaço é grande, mas há limites de visitantes por dia. Os ingressos são vendidos a cada hora cheia, o que já limita também o número de visitantes, mas mesmo assim os corredores ficam disputados e haja paciência para aguardar sua vez em apreciar cada aquário.


A principal atração é, sem dúvida, o maior aquário, com mais de 5 metros de profundidade, e com um túnel no meio, passagem obrigatória dos visitantes, onde é possível encarar de perto as raias e os tubarões. O tubarão é o protagonista, com sua presença aterrorizante (rs). Para quem não quer se apertar no túnel, vale a pena sentar nos pufs gigantes e admirar todos esses animais relaxado, com som ao fundo.
 
Mas antes de chegar ao grande aquário, o visitante percorre um enorme corredor, com diversos aquários menores, tendo uma diversidade de peixes e outros animais marinhos, como polvo, lagosta, cavalo marinho, moreias e tubarões menores. O aquário com peixes do mar do Caribe (meu preferido) e também o aquário com os peixes das espécies conhecidas no filme Procurando Nemo são os mais disputados pela criançada. Impossível não sentir falta de tartarugas marinhas, que só chegarão ao aquário em 2018.

A estrutura do AquaRio surpreende pela organização, pelo tamanho e pela qualidade do serviço. Por toda área de visitação, há instrutores e guias explicando sobre as espécies e oferecendo mini-aulas sobre curiosidades da vida marinha. A realidade virtual também ajuda a entender a vida desses animais no fundo do mar. Há um telão que mostra em time-lapse a construção do aquário.

Além dos tanques, onde é possível encostar em alguns peixes, já no final do aquário, há exposição permanente de conchas e um museu do surf, com curadoria do famoso surfista carioca Rico de Souza. No acervo de pranchas, há desde os primeiros construídos na década de 1960, quanto os mais recentes, dos campeões mundiais Gabriel Medina e Mineirinho, de 2016.


O tempo de passeio dura, em média, uma hora, dependendo do número de visitantes. Dá para organizar a programação e incluir, além do aquário, no mesmo passeio o Museu do Amanhã, no início do Boulevard Olímpico. Leia mais no post sobre Boulevard Olímpico.


Informações úteis: há estacionamento (pago) no local, mas a estação do VLT é bem próxima da entrada. Para garantir o ingresso, é melhor comprar no site do AquaRio. Deixar para comprar na bilheteria, corre o risco de não conseguir (principalmente na alta temporada). Há poucas opções de comida dentro (e fora) do Aquário. Sobre valores: R$80 (inteira – turistas), R$60 (carioca e moradores do Rio), R$40 (meia – idosos acima de 65anos, estudantes até 25 anos).


Mais informações:

19 de janeiro de 2017

Verão carioca na Região dos Lagos




Para quem consegue fugir um pouco das praias do Rio e pega a estrada em direção à Região dos Lagos, vale a pena conhecer algumas das praias mais bonitas desse litoral. De dezembro até o período do carnaval, a Região dos Lagos ferve em todos os sentidos. Além do intenso calor, as férias escolares elevam o número de visitantes, tornando bem congestionado.

Isso, naturalmente, reflete no acesso aos principais pontos turísticos, o que pode virar um programa de índio. As praias ficam lotadas, a estrada engarrafada, falta estacionamento e os serviços (restaurante, padaria, mercado, posto de gasolina etc.) piores ainda. Além disso, as cidades não têm estrutura para receber grande volume de visitantes, o que é normal faltar luz ou água.

Mas para quem pode se programar a visitar fora da alta temporária, a viagem pode revelar ótimas experiências. Búzios, Arraial do Cabo e Cabo Frio são os lugares mais procurados. As praias são lindas, quando vazias...

Praia do Atalaia - Arraial do Cabo
 
Para quem visita Arraial, por exemplo, não pode deixar de visitar o Pontal do Atalaia e Praia do Forno, além de assistir ao famoso pôr do sol na Praia Grande. A praia do Pontal do Atalaia é conhecida pelo acesso não tão fácil, mas fascinante. As escalas de madeira que levam até as areias da praia podem até cansar as pernas, mas garantem um belo visual. Na alta temporada, é difícil estacionar perto da escada, mas ainda vale a pena.



Cabo Frio já se tornou uma cidade grande, com shoppings e edifícios que até a década de 2000 eram praticamente raros. Passei muitas férias na minha infância por lá, e o clima era bem diferente do que se vê atualmente. Mesmo assim, vale a pena passar pela praia das Dunas, que ficam antes da famosa (e lotada) Praia do Forte. Areia branca e fina combina com o mar azul cristalino, bem diferente das areias das praias do Rio.

Praia das Dunas - Cabo Frio

A Ilha do Japonês, também em Cabo Frio, se popularizou e, consequentemente, se tornou um dos lugares mais cheios para frequentar. A dica é chegar já fim de tarde, para encontrar mais tranquilo. Conforme o nível da maré, é possível ir andando até a ilha. Mas há barcos ajudando no transporte.

Ilha do Japonês

Búzios já é um paraíso que tem um charme diferente e merece um post só para ele, com as melhores praias. Em São Pedro da Aldeia, a dica é sentar à beira da lagoa e apreciar o pôr do sol.

Lagoa em São Pedro da Aldeia

5 de janeiro de 2017

2007 – 2017 – 10 anos do Blog

2017 já começou e o primeiro post do ano não poderia ser diferente. Este ano o Blog Rascunho Passado a Limpo completa 10 anos!

O mais legal dessa trajetória é perceber quantas mudanças já ocorreram nesse mundo digital, com o avanço das redes sociais, com as mensagens de whatsapp e tantas ferramentas que vieram somar ou até mesmo substituir outras. Ainda sim o blog se popularizou, tornando um importante veículo de comunicação, principalmente para quem fez dele sua ferramenta de trabalho. Muitos blogueiros se tornaram famosos e passaram a ser conhecidos como “influenciadores digitais”, justamente pelo conteúdo que postam e seus seguidores fieis.

Quando criei “Rascunho”, tinha (e ainda tenho) o propósito de apenas compartilhar no meio digital algumas das minhas ideias, pensamentos ou histórias de vida através de crônicas. Depois vieram os posts sobre as viagens ou lugares bacanas da cidade para se conhecer. De fato, o blog se tornou uma válvula de escape dos pensamentos, tentando colocar em textos aquilo que sinto, penso ou vivencio.

Nunca tive a pretensão de me tornar um verdadeiro blogueiro, encarando profissionalmente a tarefa de publicar periodicamente sobre determinados assuntos. Talvez seja por isso que o blog não tenha uma “cara” profissional, como tantos blogs incríveis que existem nesse universo ilimitado da Internet. Mas para os que procuram ler e, raramente, comentar alguns posts meus, fico feliz em saber que de alguma forma a mensagem foi repassada.

Hoje, o blog mostra quantas visualizações cada post recebeu e (ainda) me surpreendo quais foram os que receberam mais visualizações nesses dez anos. Muitos estão relacionados aos posts sobre passeios aventureiros pela cidade do Rio, como a travessia de SUP para Ilhas Tijucas e Praias Selvagens, assim como as trilhas para acompanhar o nascer do sol ou o pôr do sol na Pedra Bonita e na Pedra do Telégrafo. Não à toa, criei a hashtag “vidacomecadepoisdos30” que virou um perfil no Instagram (e que compartilho com mais duas amigas). Particularmente, gosto de conhecer lugares diferentes, próximos à natureza e longe da rotina urbana.

Ao reler os primeiros posts, vejo como amadurecemos nossa forma de escrita e percebemos que somos reflexos daquilo que vivenciamos todos os dias. Tento compartilhar tudo que me chama atenção ou que me dá prazer em escrever. Mas confesso que, pela falta de tempo, muitos assuntos acabam sendo esquecidos.

De toda forma, o blog é um espaço super interessante para registrar passagens da minha vida. E, com passar desses 10 anos, vou acumulando histórias e mais histórias, como um velho e clássico diário. Assim espero continuar escrevendo, do meu jeito, de forma leve, sem regras e livre para qualquer assunto. Ideias são sempre bem-vindas!

Parabéns ao Rascunho passado a limpo! Desejo fôlego para mais 10 anos de blog! E obrigado pela sua visita!

31 de dezembro de 2016

Gotas de sabedoria e esperança



Vivemos um tempo tão repleto de mudanças e informações, que a sensação é que os anos estão cada vez mais curtos e confusos. 2016 não foi diferente. O Brasil viveu um momento de crise, na economia, na política, mas também na sociedade. Muitos se revoltaram com o cenário de corrupção (o que nunca foi novidade, infelizmente). Mas é justamente quando os escândalos se tornam públicos, que a turbulência gera tensão e revolta.

Vivemos também a era digital, quando tudo acontece ao mesmo tempo, e todos são capazes de opinar sobre tudo e todos. Os assuntos são discutidos fervorosamente nas redes sociais, criando inimizades e gerando um clima pesado até entre amigos e familiares. A sensação é de que pessoas, no modo geral, estão impacientes e até radicais, com posicionamentos fortes e agressivos em seus discursos intolerantes e preconceituosos. É tempo de apontar o dedo na cara do outro, atirar a pedra, mesmo tendo teto de vidro.
O que mais se ouviu em 2016 foi que “estamos em momento de crise”. E com isso, tudo se torna um fardo, até para os pequenos atos. Na verdade, a crise não está só no Brasil, mas nas pessoas, no mundo, e como enxergamos o futuro incerto. 

Entretanto, é a crise que precede a evolução. Afinal, é preciso ter crise para ter mudanças. Sair da zona de conforto é necessário, mesmo que seja doloroso. Pensamos que uma crise, da proporção vivida atualmente, não depende de nós para reverter. Será? Algumas mudanças internas podem amenizar nossas crises íntimas. O equilíbrio mental traz um corpo saudável.

Então, nossa parte é feita de gotas no oceano. Começando por nossos relacionamentos, nossas redes sociais e nossas famílias. Saber o que dizer, na hora certa, no momento certo. E lembrar sempre que o ato de ouvir é mais importante que o de falar.

Na onda de “influenciadores digitais”, que “ditam a moda e opinam sobre tudo”, ser alguém ponderado e equilibrado, no meio desse oceano de gente cheia de atitudes, pode fazer a verdadeira diferença. Bons exemplos são sempre melhores que apenas boas palavras.

Ao reler o último post que fiz em 2015, vale repetir meu desejo para o próximo ano, 2017. Felicidade é viver a cada dia com paz e sabedoria. É colocar em prática os ensinamentos cristãos. O resto é consequência. Buscar o equilíbrio em nossa rotina, mesmo quando parecer impossível. 

Assim como foram os últimos anos, incluindo 2016, o próximo certamente trará novos desafios, seja para mim, seja para você, seja para uma nação inteira, seja para o planeta. A cada novo ano, as esperanças devem ser renovadas para superar tantas tragédias, escândalos, violências, crises

video