9 de maio de 2008

Para quem escrevo?

Acho interessante alguns comentários que recebo aqui. De certa forma, parece que escrevo algo para determinada leitora (ou leitor). “Nossa, como isso acontece comigo”, “é incrível como 90% do que vc fala se encaixa no que estou vivendo atualmente”, ou então: “é muito difícil ler reflexões dessa natureza escritas por um homem.”. E por aí vai.

Mas afinal, para quem escrevo?

Acho que 90% de quem passa por aqui é do sexo feminino. Eu, particularmente, tenho muitas amigas e estas me proporcionam várias histórias sobre seus relacionamentos, reflexões íntimas, questionamentos sobre atitudes (ou falta delas) de nós homens.

Portanto, gosto de escrever, quando escrevo sobre comportamento humano, sobre o que costumo escutar e observar do ser humano em geral. Como somos complexos, mas ao mesmo tempo... como somos previsíveis.

Todo mundo sofre mais ou menos pelas mesmas angústias, pelo menos uma vez na vida. Porém, é claro, cada um com sua história e seu ponto de vista. E qual o tema mais aspirado? O amor, é certo!

E sobre isso, venho pela primeira vez também contar um episódio, no mínimo, interessante que aconteceu comigo, graças a um post do blog. Isso me fez perceber o quanto neste mundo estamos sempre precisando do próximo, mesmo que este seja um estranho, ou até mesmo um “conselheiro virtual”!

A história – resumida – é a seguinte. Depois de ler um desses comentários, respondi diretamente por e-mail. Bastou o primeiro para surgir uma troca intensa de e-mails, com confissões, declarações e conselhos que perduraram por algum tempo.

A personagem tem seus 40 anos, casada, com filho e muito bem resolvida... profissionalmente. Uma família linda, digna de comercial de margarina se não fosse, pra variar, um triângulo amoroso. Mas um triângulo ainda não lapidado. De um lado, um marido fiel, amável, maduro, paixão da adolescência que perdura em seus 10, 15 anos de casamento. Do outro, um garoto com seus 20 e poucos anos, um desconhecido, apaioxado, galanteador, alguém que a atormentava em seus pensamentos mais íntimos, mas que nunca teria “avançado o sinal”. Nem um beijo, nem um abraço, quanto mais um caso consumado.

Mas ele mexia com seus sentimentos tão seguros, tão fiéis, tão... deslizantes. E daí a dúvida: largar toda segurança de um casamento perfeito para viver um novo “amor”, ou desfazer dessa prematura aventura amorosa, deixando definitivamente para trás essa tortura sexual vigente?

Eu me senti o verdadeiro Toni Sá – o personal amigo (virtual). E depois de algumas conversas, ela tomou a decisão que a mesma decidiu melhor. Mandou uns últimos e-mails e acabou o diálogo comigo.

Isso me fez lembrar de um trecho do livro que estou lendo “O anjo pornográfico – a vida de Nelson Rodrigues”, quando este, se passando por uma escritora chamada Suzana Flag, escrevia a alma feminina (seus amores e conflitos) como muitas não consegueriam descrevâ-la tão bem quanto ele, o Nelson debochado e escrachado. “(...) A massa de leitores acreditava que ‘Suzana Flag’ existia. (...) Muitos lhe escreviam cartas. Entre essas, havia as de um presidiário que se apaixonara por ela. Nelson respondeu-lhe com cautela, insinuando que ‘Suzana Flag’ era casada ou estava por casar. O presidiário conformou-se e, tempos depois, voltou a escrever, comunicando o seu próprio casamento na prisão e convidando-a para madrinha. Como se sentiria o noivo se soubesse que ‘Suzana Flag’ usava suspensórios?”

Entretanto, só para terminar, gosto desta idéia de participar das vivências alheias, não sendo intruso. Continuo observando e tirando algumas idéias, transcritas em post por aqui. Gosto de ler comentários também. Portanto, para aquelas que só passam e não deixam seus rastros, por favor, eu escrevo para você, também!

3 comentários:

Leila Souza disse...

Ei Mário.
Bom saber que escreve para mim também..., rss
Seus textos realmente são muito bons e é uma delícia visitar seu blog!
Beijos

Camila disse...

Adoro passar por aqui!!!
Você já sabe que escreve pra mim também... seus textos inclusive me inspiram a escrever sobre alguns temas.
Mantenha seu cantinho sempre atualizado, pois agora passar por aqui já faz parte da rotina de muitas de nós!!
Bjs

Marcia disse...

Fiquei emocionada com a citação do meu comentário.. Beijinhos!