27 de novembro de 2012

1982 – Feliz Ano Velho

No Réveillon passado, meia noite, um pensamento veio na mente: 2012 será um ano especial. E realmente foi. O principal motivo estava na comemoração dos 30 anos.

1982 foi um ano cheio de importantes acontecimentos, principalmente no universo cultural. E para minha satisfação, acabei comemorando os meus 30 anos em diversos momentos, celebrando junto com outros balzaquianos da estrada.

Só para citar alguns desses, estão a banda Blitz, Kid Abelha e a chegada das canções pop rock de Lulu Santos, como minha preferida “Tempos Modernos”. Foi o ano de “E.T. – O Extraterrestre”, “Rambo”, “Blade Runner”, “Atari” e, claro, do lançamento de “Thriller”, segundo LP de Michael Jackson.

O Rock nacional ganhou espaço nas rádios e fez sucesso entre os adolescentes “rebeldes” e jovens da época. Até hoje, a década de 80 é referência quando são lembrados ícones nacionais como Renato Russo, Cazuza, Lulu Santos, Lobão, Herbert Vianna, Arnaldo Antunes, Nando Reis etc. Ainda vivíamos a ditadura militar, porém com os dias contados. Por isso, a geração Coca-Cola vinha escrachar de vez, debochar dos políticos, se rebelar contra sociedade hipócrita: “Somos os filhos da revolução, somos burgueses sem religião, somos o futuro da nação/ E aí então vocês vão ver, suas crianças derrubando reis, fazer comédia no cinema com as suas leis”. Ao mesmo tempo, Lulu garantia a presença de gente fina, elegante e sincera, com olhar otimista para os tempos modernos.

Nascemos numa época de transição. Os militares deixavam o poder e a democracia chegava de forma tímida, apesar das campanhas de “Direta Já”, com comícios fervorosos nas ruas da cidade. Crescemos em meio às crises econômicas no país, castigado pela alta inflação e pelas mudanças de moedas – Cruzeiro, Cruzado, Cruzado Novo, Cruzeiro de novo, Cruzeiro Real e finalmente Real. Tudo bem que pouco importava o troco no bolso. Nossa preocupação era saber se Papai Noel iria trazer minha Caloi (“Não esqueça a minha Caloi”), os novos cartuchos do Atari 2600, Meu Primeiro Gradiente e até o famoso Ursinho Teddy.

Quando os primeiros minutos de 2012 chegavam, imaginei como o ano seria cheio de recordações, comemorações e emoções (desculpe a aliteração). Muitos amigos, assim como eu, também chegaram na casa dos 30, o que só intensificou as celebrações. E como não podia deixar de lembrar também, nada mais significativo ressaltar outro clássico de 1982, o livro “Feliz ano velho”, de Marcelo Rubens Paiva, que não deixou de ser atual, jovem e contemporâneo, como nós, balzaquianos. É assim que continuo celebrando o meu ano: Feliz 1982!

4 comentários:

Nayra Garofle disse...

Feliz 1982! Daqui a alguns dias será a minha vez de entrar na casa dos 30!


obs: esquecestes de vez seu guia? rs

railer disse...

quando é seu niver?

só quem passa dos 30 sabe como é bom! rs

Mário Cesar Filho disse...

Nayra, quando você faz aniversario? Não esqueci não, rsrs! Vamos aproveitar para marcar com Julia, aí ela conta tb sobre a viagem dela, rs! bj

Nayra Garofle disse...

Domingo, dia 9. Nossa! É uma ótima ideia! Eu vou amar conhecer a Ju pessoalmente!!!!! Organiza aí, Mário, vc não é o mestre de organizar as coisas?rsrsrs Bjs