6 de setembro de 2010

Nosso Lar já nas telas

Para quem acompanha o blog desde o ano passado, sabe que a expectativa era grande. Afinal, testemunhei o início das filmagens, quando o longa nem era assunto na internet. Na época, publiquei um post divulgando uma foto que fiz de um dos cenários, e de longe foi o post mais acessado e mais comentado até hoje.

Finalmente no último dia 3, o filme Nosso Lar estreou nos cinemas, e eu consegui assistir logo no sábado. A primeira impressão foi que o filme resumiu bem o livro, deixando de lado alguns detalhes e passagens interessantes. Mas como sabemos que nenhum filme consegue ser 100% fiel ao livro de origem, acho que o resultado foi excelente. Não houve preocupação com a ordem cronológica do livro em alguns detalhes, quando, por exemplo, André Luiz (o protagonista) conhece D. Laura, mãe de Lísias e também seu novo lar na colônia. Mas são detalhes que não comprometem o conteúdo.

A grande produção teve preocupação com os efeitos visuais, um cenário futurístico, como o livro propõe, uma trilha sonora maravilhosa, mas nada disso teria sentido se a mensagem não fosse transmitida da melhor maneira. Apesar de ter uma narrativa um pouco lenta (e para alguns parecer arrastado), o filme emociona em diversas passagens. O olhar curioso do protagonista às novidades de um novo mundo é o que torna o filme esclarecedor e de certa forma didático para o espectador. Afinal, trata-se uma colônia espiritual, e para quem não enxerga o filme como ficção científica, acredita que tudo ali seja real.

Vale lembrar que o livro foi lançado em 1944, quando nem se pensava em computadores, e outras tecnologias comuns hoje. Se nos dias atuais, as imagens de uma cidade futurística impressionam, imagina na época quando foi lançado? A história de André Luiz se passa em meados da segunda guerra mundial, quando muitos espíritos chegaram em massa à colônia por conta da guerra. São muitas histórias dentro de uma mesma história. Infelizmente, o filme não contempla todas elas, por isso vale a pena ler o livro, independente de ter assistido ao filme.

Particularmente, a cena que mais me emocionou foi quando André Luiz consegue visitar sua família em sua antiga casa e rever sua esposa e seus filhos já crescidos. Aos que partem para o outro lado, a saudade é a mesma de quem fica e por isso a vontade de reencontrar os familiares encarnados é enorme. André precisou passar um tempo em recuperação após seu desencarne, até mesmo para se preparar para esse reencontro. E quando chegou o momento, ele estava sereno e feliz. Inevitável não chorar quando vi sua filha ao piano tocando a música predileta de André, e ele ao lado, admirando sua filha. É como se eu me visse naquela cena, tocando piano para meu querido avô – meu maior incentivador e admirador. Acredito que ele também esteja escutando minhas melodias por lá, matando a nossa saudade.

No final do filme, notei pessoas bastante emocionadas com que viram. A mensagem do filme é linda e nos convida à reflexão sobre nossos atos, nossas condutas e nossos pensamentos. Para aqueles que pensam que a morte é o fim de tudo, ou pelo menos uma passagem para o paraíso, talvez se enganem ao ver que há muitas moradas do outro lado, dependendo do nosso grau de evolução, assim como há muito trabalho pela frente, independente de nossa formação profissional e nosso status social terreno.
Não só recomendo assistir esse belo filme, como recomendo ler o livro. Tenha olhos para ver e ouvidos para ouvir, pois isso não é tão óbvio como se parece


Primeiro post sobre o filme.

5 comentários:

Ju disse...

Quero ver!! Muito!! Vou tentar ir com o maridón amanhã!! beijos, ju

Luciana Ramos disse...

Eu li o livro mês passado e nem sabia que iam fazer filme dele. Quero ver tb!!!
bjs

Ju disse...

Eu vi o filme hoje... e voltei aqui para falar que chorei em diversos momentos... emocionante!

Nem senti as duas horas de filme passar... quero assistir de novo! E como li o livro há muito tempo atrás, quando eu tinha uns dezesseis anos, quero pegar o livro para reler ;)

Nat disse...

Mais uma vez, suas críticas foram reais, maravilhosas e emocionantes. Além de muito bem escrita você consegue, através da mesma, nos passar seus verdadeiros sentimentos.

Como tive o prazer de assistir esse filme com você, vi como tudo isso faz sentido em sua vida. E ao ler isso aqui me emocionei bastante, realmente você e seu avô tinham uma relação além.

Realmente o filme Nosso Lar é um excelente programa, mas é muito mais que isso. Há um grande ensinamento vivido por André Luís que vale a pena ser visto e quem sabe com muito esforço vivido por nós.

railer disse...

como você comentou, achei que algumas partes se arrastaram mesmo. mas é um bom filme.