15 de abril de 2011

Exame Periódico


Sua empresa convoca para novos exames periódicos. É uma verdadeira maratona de exames para garantir que você não vai morrer durante o próximo ano. Ao iniciar pelo teste ergométrico (entende-se esforço físico ou morte súbita, como você achar melhor), o médico começa com uma série de perguntas que vai desde “você é solteiro, casado ou a procura de?”, até: “fuma, bebe, consome drogas, faz sexo, pratica esportes, sobe escadas, dança, anda de bicicleta...”, diante de tantos “nãos”, ele já desconfia que seu exame vai dar tudo errado. Então começa de fato o exame do esforço físico. O ideal é correr na esteira, mas se você não anda nem de pedalinho na Lagoa, só vai conseguir caminhar a passos lentos. Para piorar, colocam um “sufocador” na sua boca, o que dificulta ainda mais sua respiração ofegante de atleta aposentado.

Depois de botar os bofes pela boca em uma caminhada que não chegou nem meia hora, ele mede sua pressão, faz todos os procedimentos comuns ao pós-exame e decreta seu fim: “é... o resultado não está nada bom... você está precisando praticar esportes. Seu sedentarismo é preocupante”. Até aí, nenhuma novidade. Você já sabia que sua vida regada a picanhas, pizzas, cigarro e cerveja não garantiria um corpinho sarado de academia.

A segunda etapa vem com os tradicionais exames de sangue, urina e fezes. Um constrangimento à parte. Para entregar corretamente suas coletas, você recebe “Instruções para a coleta de urina a ser feita pelo próprio paciente”. Vamos ao texto:

- Fazer assepsia genital lavando cuidadosamente esta região, pelo menos TRÊS vezes, para retirar creme ou qualquer tipo de secreção que houver.

Nessa hora você se pergunta: a criatura que escreveu isso já experimentou lavar CUIDADOSAMENTE a região, pelo menos TRÊS vezes, com aquela vontade LOUCA de urinar, depois de beber bastante água?

Voltando ao texto:
- Após empurrar cuidadosamente a pele do prepúcio para trás, lavar a região genital com água e sabonete neutro.
- Enxaguar com bastante água. Secar bem com uma toalha limpa e macia apenas pressionando levemente a região genital.

Esse último tópico serve também para o sexo feminino, o que gerou um comentário de uma amiga: “depois desse pequeno procedimento, você chama o marido para finalizar, não é mesmo?”

As “instruções” continuam com uma série de cuidados indispensáveis para a coleta correta. Entretanto, ao receber o pote para coleta de fezes, pelo tamanho do “tupperware”, você se pergunta: “será que uma diarréia enche o pote?!”. A instrução é curta e grossa: “colher TODO o material de uma evacuação”, já o resultado da sua evacuação...

Mas, nessas horas, aparecem vários tipos de preocupação: "e se no dia eu fizer o tímido cabritinho?!" ou "se o produto for maior do que o pote, corto com que tipo de artefato"?! Esse não é só o problema: deveria existir um manual de procedimentos para a colheita, pois esta é árdua!Os portadores de hérnia de disco têm que pedir ajuda a um parente próximo! Se bobear, o braço que foi pela retaguarda fica adormecido, dependendo do tempo utilizado na operação, e as caimbras fatalmente aparecerão...

A tarefa é difícil, meu caro. Depois de todos os procedimentos realizados com sucesso e os exames prontos, você finalmente recebe o “cartão verde” do Serviço Médico da sua empresa. Até o próximo ano!

6 comentários:

Ju disse...

Acho que se você sobreviveu depois dessa maratona, você não pode mais se considerar um ser sedentário! rs

Antonio Benjamim disse...

Impressionante como você narra esta aventura! Tornou o que era chato em algo engraçado haha(para quem lê).

Anônimo disse...

Mas fica a pergunta: e aqueles que têm constipação, vulgo prisão de ventre? Sem brincadeiras, o texto é leve, engraçado, gostoso de ler.

Nani Barros

ALÔ! ALÔ! disse...

Alô Mário, bom dia!Seu texto é impagável,dei ótimas risadas e o pior,ou melhor,é que é absolutamente fiel a situação.Parabéns,abraços,Anna Kaum.

railer disse...

ah, mário, deixa de ser exagerado. esses exames todo mundo já fez um dia e é tranquilo.

agora, se tu tá sedentário, tá na hora de mudar, não acha?

Mário Cesar Filho disse...

Fala Railer! Essa história não é minha! Eu escutei de uma pessoa próxima, achei tão engraçado o jeito dela contar que resolvi escrever aqui. Eu nem fumo nem estou sedentário, mas valeu pela "bronca", rsrs! Abs.